quarta-feira, agosto 23, 2006

Luiz Gustavo Tavares Costa

IDENTIDADE NACIONAL "BRASILEIRA"

 
            O Brasil quando se tornou um país de fato, passou a brigar por uma identidade nacional, primeiro veio a valorização pelos nativos(índios) como nossa identidade, depois veio identidade dos trabalhadores, mesmo sendo de outros continente ou descendentes destes outros, mas que contribuíam para o crescimento do país, perjurando de certa forma os nativos taxando-os  de preguiçosos. Buscou-se então a identidade das três raças, e que até hoje século XXI, está se buscando provar a identidade nacional pela miscigenação.

            Encontrar ou descobrir a identidade nacional brasileira não será tarefa fácil, já que fomos criados a partir de três identidades, uma homologada (branca) e duas de moral (negra e índia). Como criar a unificação quando a branca era quem dominava as outras. Como a classe de intelectual era formada por branca, não se admitia um mesmo nível de identidade das três raças, para se criar uma como nação. Brasil rico nato pelos índios, artistas e multiplicador populacional pelos negros, mas formado intelectualmente pelos brancos.

            Criam então, uma hierarquização branco no topo e negro e o índio ficam se revezando 2º e 3º planos, seja pela condição de nativo ou pela condição de formação cultural de massa, mas ainda não se cria uma identidade nacional e nem irão criar. O discurso é bonito "A Identidade Nacional com três pilares", branco intelectual, índio cultural nato e negro cultural adquirido. Nesta mestiçagem esqueceram de caracterizar como raça o índio e o negro, forma e são sempre encarados como sub-raças e que tiveram um melhoramento cultural, civil e até genético. Como poderiam os primeiros intelectuais criassem a Identidade brasileira em três raças, já que as outras duas (negra e índia) foram pela deles (brancas) melhoradas, mas as duas eram maioria na população e na diversificação cultural, não podiam ser excluídas. Começou então a se empurrar a questão de Identidade nacional com a prolixidade de Identidade miscigenada.

            O racismo que existe hoje no Brasil, é uma prova cabal da não existência de uma raça unificada, são tratados com inferiores aproveitadores das condições que os brancos lhes dão para crescer em qualquer âmbito. Os índios estão praticamente esquecidos como raça, apenas não lembrados no dia 19 de abril como primeiros proprietários do Brasil, mas por atitudes dos grileiros da realeza portuguesa, hoje estão na condição de posseiros e alguns tiveram como favor e escrito em lei federal seus pedaços de terra. Os mestiços sofrem também com a falta de identidade, enquanto eles se afirmam como mestiços brasileiros, orgulhos de terem raízes indígenas ou negras, os que se entendem por branco os marginalizam ou então se compadecem por possuírem tais raízes.

            Fica claro que será muito difícil criarmos uma identidade nacional, já que não temos em nós mesmo esta identidade, estamos sempre brigando por desigualdades raciais contra negros e índios e alimentando raiva contras os brancos por fazerem distinções e não sofrem nada, vindo depois com um discurso teórico de que nosso país é um formado pela democracia étnica. Com a globalização fica ainda mais dfícil encontrar a identidade, só que agora não para o brasil e sim para o mundo, criamos um sistema 'Multi" multiculturalidade, multitecnicidade, multiintelectualidade e multietnicidade. Estamos caminhando para uma identidade global, criando assim uma espécie de gaveta para deixarmos nossa identidade de raiz, quando o saudosismos nos enxarcar vamos lá abrimos a gaveta respiramos nossa raiz, e pronto podemos voltar para voltar a nação Multi".