terça-feira, agosto 29, 2006

Alexandra Nogueira

IDENTIDADE NACIONAL BRASILEIRA

             Fazendo uma análise da identidade brasileira é possível concluir, logo de início, que somos um povo essencialmente mestiço, talvez o mais mestiço dos povos em todo o globo terrestre. Segundo Darcy Ribeiro somos "um povo mestiço na carne e no espírito, já que aqui a mestiçagem jamais foi crime ou pecado. Nela fomos feitos e ainda continuamos nos fazendo."

            No decorrer dos séculos, povos indígenas passaram a ocupar uma vasta área litorânea pelos territórios sul americanos. Foram os de língua tupi que ocuparam o que mais tarde seria chamado de Terra de Santa Cruz. E se estabeleceram e organizaram-se aqui. No entanto, posteriormente surgiram os portugueses, que trouxeram juntamente com eles, os negros africanos escravos para colonizar essas terras.

            Este evento gerou uma transfiguração étnico-cultural onde os dominadores (portugueses) através do genocídio e etnocídio, fizeram nascer uma nova etnia, o brasileiro.

            Ribeiro chama de matriz indígena, Lusitânia e negra, os povos que contribuíram para a formação dessa nova etnia. Cada um deles contribuiu não só na formação do biótipo brasileiro, mas também na personalidade e cultura.

            Muitos estudiosos vêem diversos defeitos e qualidades que herdamos de cada povo matriz. Um exemplo questionável que Darcy Ribeiro mostra é o da preguiça brasileira a que se atribuem ás matrizes dos índios indolentes, dos negros fujões e das classes dominantes viciosas que vieram de Portugal. Este exemplo é questionável porque tivemos uma incomparável construção de civilização urbana no período colonial, e isso seria impraticável a um povo preguiçoso.

            É verdade que tivemos outras influências também, como dos holandeses, espanhóis e franceses, mas não com a mesma intensidade que as matrizes já descritas.

            Somos um povo ainda em fase de "fazimento". O Brasil continua "em obras", no entanto, não o diminui ou impede de ser uma das mais belas nações onde a criatividade artística e cultural corre no sangue dos seus filhos e que também a faz tão amistosa e interativa com todas as raças e culturas.

(Referência Bibliográfica: RIBEIRO, Darcy, in: O Povo Brasileiro.)